Câncer do Colo do Útero

Clique nos títulos abaixo para saber mais:

O Câncer do Colo do Útero, também chamado de Câncer Cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano – HPV (chamados de tipos oncogênicos) e tem início como uma lesão pré-maligna que é chamada de displasia.

Excetuando-se o câncer de pele não melanoma, é o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina, ficando atrás do câncer de mama e do colorretal.

O colo do útero é a região mais baixa e estreita do útero, que tem duas partes, o corpo do útero (onde se desenvolvem os bebês) e o colo, que liga o útero à vagina. O Câncer de Colo do Útero tem início no seu tecido de revestimento e se desenvolve lentamente.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Instituto Vencer o Câncer

INCA 

Instituto Oncoguia 

Hospital A.C.Camargo

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad. Cristiano Roberto Peixoto Kayser)

Existem diferentes tipos de Câncer do Colo Uterino, dependendo do tipo de célula que lhes dá origem:

Carcinoma Epidermoide – responsável por 70% a 80% dos casos, se origina nas células da ectocérvice. Está associado à infecção pelo HPV;

Adenocarcinoma –  é o segundo tipo mais comum, correspondente a cerca de 20% dos casos, e se origina a partir das células da endocérvice. Também está associado a infecções pelo HPV;

Carcinoma Adenoescamoso – terceiro tipo, mais raro e com características dos dois anteriores.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Instituto Vencer o Câncer

INCA 

Instituto Oncoguia 

Hospital A.C.Camargo

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad. Cristiano Roberto Peixoto Kayser)

O Câncer do Colo do Útero é uma doença de desenvolvimento lento, que pode não apresentar sintomas em fase inicial. Entretanto, é importante ficar atenta aos seguintes sintomas:

  • Sangramento vaginal intermitente (que vai e volta);
  • Sangramento durante as relações sexuais;
  • Sensação de peso e dor na região da bacia;
  • Dor pélvica;
  • Mudanças nos hábitos urinários e intestinais;
  • Secreção vaginal de odor desagradável.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Instituto Vencer o Câncer

INCA 

Instituto Oncoguia 

Hospital A.C.Camargo

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad. Cristiano Roberto Peixoto Kayser)

Os seguintes testes podem ser utilizados:

– Exame pélvico e história clínica: exame da vagina, colo do útero, útero, ovário e reto através de avaliação com espéculo, toque vaginal e toque retal;

Exame Preventivo (Papanicolau): o exame é indolor, simples e rápido, causando apenas um pequeno desconforto no momento do procedimento. Para garantir um resultado correto do Papanicolaou, deve-se tomar alguns cuidados: não ter relações sexuais (mesmo com camisinha) no dia anterior ao exame; evitar o uso de duchas, medicamentos vaginais e anticoncepcionais locais nas 48 horas anteriores à realização do exame e não estar menstruada (a presença de sangue pode alterar o resultado);

– Colposcopia – exame que permite visualizar a vagina e o colo de útero com um aparelho chamado colposcópio, capaz de detectar lesões anormais nessas regiões

– Biópsia – se células anormais são detectadas no exame preventivo (Papanicolau), é necessário realizar uma biópsia, com a retirada de pequena amostra de tecido para análise no microscópio.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Instituto Vencer o Câncer

INCA 

Instituto Oncoguia 

Hospital A.C.Camargo

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad. Cristiano Roberto Peixoto Kayser)

A escolha do tratamento dependerá muito do estadiamento da doença no momento do diagnóstico, além de outros fatores como idade da paciente, estado geral de saúde, circunstâncias individuais e preferências da paciente.

Diferentes procedimentos são realizados para o tratamento do Câncer do Colo Uterino, sendo eles por meio de cirurgias, quimioterapias e radioterapia.

É importante que todas as opções de tratamento sejam discutidas com a equipe médica, bem como seus possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapte às necessidades de cada paciente.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Instituto Vencer o Câncer

INCA 

Instituto Oncoguia 

Hospital A.C.Camargo

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad. Cristiano Roberto Peixoto Kayser)

Rita Helena Zimmermann

Rita Helena Zimmermann Câncer de Colo de Útero – Porto Alegre – RS Descobri meu cancer em Março de 2017, e a metastase em agosto de 2018. Estou aprendendo a
Ler mais