Câncer de Pâncreas

Clique nos títulos abaixo para saber mais:

O câncer de pâncreas pode começar na cauda, no corpo ou na cabeça do órgão. À medida que cresce, as células malignas chegam à cápsula que reveste o mesmo órgão, depois à gordura que o envolve, depois a estruturas vizinhas (fígado, região do duodeno, do estômago, artérias e veias mesentéricas, linfonodos próximos). Se chega ao peritônio (o que é comum), a membrana que recobre os órgãos da cavidade abdominal, provoca acúmulo de líquido. Em fase mais avançada, o tumor pode atingir inclusive os pulmões e a pleura.

O Câncer de Pâncreas representa, no Brasil, 2% de todos os tipos de câncer e apresenta uma alta taxa de mortalidade. Isso se dá principalmente pela infrequência de um diagnóstico precoce, que leva a um alto índice de metástase.

Apenas de 5% a 10% dos casos de Câncer de Pâncreas são de origem hereditária – a grande maioria tem ligação com hábitos de vida (tabagismo, obesidade ou sobrepeso e sedentarismo). Mais de 90% dos pacientes tem mais de cinquenta e cinco anos -, sendo raros casos antes dos trinta anos de idade – e a maior incidência é entre homens.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Hospital A.C.Camargo

Instituto Vencer o Câncer

INCA

Instituto Oncoguia

Cure Today

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad.Laura Prolla Lacroix)

O pâncreas é composto por dois tipos diferentes de células: exócrinas e endócrinas. Os tumores desse órgão, portanto, igualmente podem ser tumores exócrinos ou tumores endócrinos.

  • Tumores Exócrinos

Os tumores exócrinos são o tipo mais comum de câncer de pâncreas.

Adenocarcinoma de Pâncreas. Aproximadamente 95% dos casos de câncer de pâncreas exócrinos são adenocarcinomas. Esses cânceres normalmente começam nos ductos pancreáticos, mas às vezes se desenvolvem a partir das células que produzem as enzimas pancreáticas (Carcinomas de Células Acinares).

Tipos menos comuns. Os tipos menos comuns de Câncer Ductal de Pâncreas Exócrino incluem Carcinomas Adenoescamosos, Carcinomas de Células Escamosas, Carcinoma Indiferenciado de Células Gigantes, Carcinomas de Células em Anel de Sinete e Carcinomas Indiferenciados. Esses tipos são diferentes um do outro quando vistos sob o microscópio.

Carcinoma da Ampola de Vater. Este tipo de câncer começa na ampola de Vater, onde o ducto biliar e o ducto pancreático se juntam antes de formar um conduto só e chegar ao intestino delgado. Os cânceres ampulares não são tecnicamente cânceres de pâncreas, mas estão incluídos neste tópico porque seus tratamentos são muito semelhantes ao desse tipo de neoplasia. Esse câncer frequentemente bloqueia o ducto biliar, provocando icterícia (pele e olhos amarelados). É normalmente diagnosticado em estágio mais inicial do que a maioria dos cânceres de pâncreas, e geralmente tem um prognóstico melhor em relação aos cânceres de pâncreas típicos.

  • Tumores Endócrinos

Os tumores de pâncreas endócrino são raros, constituindo menos de 5% de todos os cânceres de pâncreas. Como grupo, eles são conhecidos como tumores neuroendócrinos do pâncreas, ou às vezes como tumores de células das ilhotas. Existem muitos tipos de tumores de pâncreas endócrinos.

Tumores Funcionais. Cerca da metade dos tumores de pâncreas endócrinos produzem hormônios que são liberados na corrente sanguínea provocando sintomas. Estes são chamados tumores funcionais, que são denominados de acordo com o tipo de célula que produz o hormônio, sendo os tipos mais comuns os Gastrinomas e Insulinomas.

Tumores Não Funcionais. Os tumores que não produzem hormônios são chamados de não funcionais e são mais comuns que os funcionais.

Tumores Carcinoides. É um tipo de tumor endócrino do pâncreas que produz serotonina ou seu precursor, 5-HTP.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Hospital A.C.Camargo

Instituto Vencer o Câncer

INCA

Instituto Oncoguia

Cure Today

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad.Laura Prolla Lacroix)

Cerca de 80% dos casos de câncer de pâncreas são diagnosticados em fase mais avançada. Essa prevalência se deve ao fato de que seus sinais sintomas são tardios e inespecíficos. O sintoma mais comum (presente em mais de 75% dos casos) é a dor lombar, que geralmente se espalha para a região abdominal posterior, e às vezes para a anterior. Além desse, há a icterícia (pigmentação amarelada da pele e dos olhos decorrente do acúmulo de bilirrubina no sangue), a perda de apetite e o emagrecimento, e o cansaço, todos os quais são relatados por metade ou mais da metade dos pacientes. Por fim, a Diabetes Mellitus é uma condição que frequentemente aparece associada a tumores do pâncreas, de forma que se discute se ela é fator de risco ou sintoma desse câncer, ou ambos. Se a produção de insulina é afetada, isto pode ser a causa de alterações nos níveis de açúcar no sangue, o que será interpretado clinicamente como um diagnóstico de Diabetes Mellitus, ou como um desequilíbrio metabólico, se o paciente já possuía esse diagnóstico.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Hospital A.C.Camargo

Instituto Vencer o Câncer

INCA

Instituto Oncoguia

Cure Today

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad.Laura Prolla Lacroix)

Quanto ao diagnóstico de câncer de pâncreas, o marcador tumoral CA 19-9 está elevado nos exames de sangue do paciente em até 80% dos casos. Entretanto, esta elevação pode se dar por outros fatores. Portanto, exames de imagem como a tomografia computadorizada, a ressonância nuclear magnética e a ultrassonografia endoscópica podem ser indicados. Para definir com especificidade o subtipo da neoplasia, é necessário um laudo histopatológico (análise sob microscópio) a partir de uma biópsia do tumor.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Hospital A.C.Camargo

Instituto Vencer o Câncer

INCA

Instituto Oncoguia

Cure Today

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad.Laura Prolla Lacroix)

Tradicionalmente, o tratamento do Câncer de Pâncreas é feito com cirurgia e/ou quimioterapia.  A escolha do tratamento dependerá muito do estadiamento da doença no momento do diagnóstico, além de outros fatores como idade da paciente, estado geral de saúde, circunstâncias individuais e preferências da paciente. É importante que todas as opções de tratamento sejam discutidas com a equipe médica, bem como seus possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapte às necessidades de cada paciente.

A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com o Serviço de Saúde.

FONTES DE REFERÊNCIAS:

Hospital A.C.Camargo

Instituto Vencer o Câncer

INCA

Instituto Oncoguia

Cure Today

Pesquisa: Liga de Oncologia UFRGS (acad.Laura Prolla Lacroix)

Martin Inderbitzin

Martin Inderbitzin Câncer de Pâncreas, Zurique (Suíça) Quando eu tive câncer de pâncreas há 6 anos, fiquei completamente chocado com o que eu li na internet! Foi muito difícil para
Ler mais

Sônia Maria Melnik

Sônia Maria Melnik Câncer de Pâncreas – Porto Alegre – RS Tive câncer de pâncreas há 4 anos e 8 meses. Dançar me mantém em equilíbrio. Dancei aguardando  exames, dancei
Ler mais